quinta-feira, 14 de abril de 2011



Aparelhos custam hoje o triplo; para ministro, produção local deve acelerar queda de preços

Os projetos da empresa chinesa Foxconn de montar o iPad no Brasil a partir de novembro e os de outras fabricantes que pretendem produzir tablets em território brasileiro deverá acelerar a tendência de queda nos preços desses aparelhos no país.

Hoje, eles custam cerca de R$ 1,5 mil. O iPad 1, da Apple, tem preços a partir de R$ 1,4 mil. Produzidos no Brasil, o Samsumg Galaxy custa a partir de R$ 1,5 mil, e o Xoom, da Motorola, de R$ 1,9 mil.

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, tem declarado que o governo gostaria de ver um tablet com preço de R$ 500 no país, como ferramenta importante para a inclusão digital e o ensino.

O tablet de R$ 500 é possível, mas não será um iPad. No mercado americano, onde esses aparelhos são mais baratos, as versões mais simples custam por volta de US$ 500 (R$ 800).

Assim, o projeto do tablet de R$ 500 depende de incentivos fiscais. Os aparelhos montados no Brasil deverão ter isenção de PIS e Cofins, que, juntos, acrescentam 9,25% ao preço final. Além disso, é provável que recebam o tratamento fiscal dos notebooks e consigam redução do IPI. Incentivos estaduais podem aliviar o ICMS.

Resta saber se as limitações desse tablet "popular" não seriam fonte de frustrações para o consumidor.

Fonte: Destak

0 comentários: