segunda-feira, 20 de junho de 2011

Este post não é de minha autoria, mas republico para que futuramente mais pessoas possam achar estas informações. ;D

Para instalar um pacote, use o comando "yum install", como em:

# yum install mysql-server


Para removê-lo posteriormente, use:

# yum remove mysql-server


O yum possui também um recurso de busca, que é bastante útil quando você está procurando por um pacote, mas não sabe o nome exato, ou em casos de pacotes que possuem nomes diferentes em relação a outras distribuições. Use o comando "yum search", seguido por alguma palavra ou expressão, que faça parte do nome do pacote ou descrição, como em:

# yum search samba


Ele retorna um relatório contendo todos os pacotes relacionados, incluindo o texto de descrição de cada um. Isso resulta geralmente em uma lista relativamente longa. Para fazer uma busca mais restrita, procurando apenas nos nomes dos pacotes, use o parâmetro "list", como em:

# yum list httpd


Ele é bem menos falador, retornando apenas os pacotes que possuem "httpd" no nome, sem pesquisar nas descrições.

Uma terceira opção é a "provides" que mostra pacotes que incluem um determinado arquivo, pesquisando não no nome ou na descrição, mas sim no conteúdo dos pacotes. Ele é bastante útil em casos em que você precisa de alguma ferramenta ou biblioteca que faz parte de outro pacote maior, como em:

# yum provides mcedit


Em caso de dúvida, você pode verificar se um determinado pacote está instalado e qual é a versão usando o comando "rpm -q", como em:

# rpm -q samba
samba-3.0.25b-0.el5.4


Para atualizar um pacote já instalado, use o comando "yum update", como em:

# yum update samba


O comando "yum install" também pode ser usado para atualizar pacotes. A diferença entre o "install" e o "update" é que o "update" se limita a atualizar pacotes já instalados. Ao perceber que o pacote solicitado não está instalado, ele exibe um aviso e aborta a instalação, como no exemplo abaixo. Isso reduz a possibilidade de você acabar instalando um novo serviço por engano:

# yum update mysql-server
Loading "installonlyn" plugin
Setting up Update Process
Setting up repositories
Reading repository metadata in from local files
Could not find update match for mysql-server



Outra observação é que, depois de atualizar um serviço, é necessário recarregar o serviço (como em "service smb restart") para que a nova versão passe a ser usada. Esta é mais uma pequena diferença com relação às distribuições derivadas do Debian, onde os serviços são reiniciados de forma automática depois de atualizados.

Para atualizar todo o sistema, comece usando o parâmetro "check-update", que lista as atualizações disponíveis:

# yum check-update


Se usado sem especificar um pacote, o "update" vai atualizar de uma vez só todos os pacotes do sistema, de forma similar ao "apt-get upgrade" do Debian:

# yum update


Existe ainda o comando "yum upgrade", que é um pouco mais incisivo, incluindo também pacotes marcados como obsoletos (que não existem mais na versão atual). Ele é útil em casos em que é necessário atualizar uma versão antiga do sistema:

# yum upgrade


É possível também fazer com que o yum atualize o sistema automaticamente todas as madrugadas. Para isso, basta ativar o serviço "yum" e configurá-lo para ser ativado durante o boot:

# chkconfig yum on
# service yum start


Repositórios adicionais

A lista de repositórios usados pelo yum é dividida em diversos arquivos, organizados na pasta "/etc/yum.repos.d/". No CentOS, a pasta inclui por padrão apenas dois arquivos: "CentOS-Base.repo" e "CentOS-Media.repo". O primeiro inclui os repositórios oficiais da distribuição, enquanto o segundo permite que você instale pacotes contidos nos CDs (ou no DVD) de instalação.
O arquivo "CentOS-Base.repo" contém diversas entradas como a abaixo, uma para cada repositório:

#released updates
[updates]
name=CentOS-$releasever - Updates
mirrorlist=http://mirrorlist.centos.org/?release=$releasever&arch=$basearch&repo=updates
#baseurl=http://mirror.centos.org/centos/$releasever/updates/$basearch/
gpgcheck=1
gpgkey=http://mirror.centos.org/centos/RPM-GPG-KEY-CentOS-5

Ao adicionar repositórios adicionais, você criaria novos arquivos dentro da pasta "/etc/yum.repos.d/", um para cada repositório adicional.O yum verifica os arquivos dentro da pasta cada vez que é executado, fazendo com que o novo repositório passe a ser usado automaticamente.

Normalmente, os responsáveis pelos repositórios disponibilizam arquivos de configuração prontos, que precisam ser apenas copiados para dentro da pasta "/etc/yum.repos.d". Para adicionar o repositório kbs-centos-extras, por exemplo, você baixaria o arquivo "kbsing-CentOS-Extras.repo", disponível no http://centos.karan.org/.

Assim como o apt-get, o yum utiliza chaves GPG para checar a autenticidade dos pacotes antes de fazer a instalação. Cada pacote é assinado digitalmente pelo desenvolvedor, o que atesta que o pacote foi realmente gerado por ele. Mesmo que alguém tentasse adulterar o pacote (incluindo um rootkit ou um script malicioso, por exemplo), não teria como falsificar também a assinatura, o que levaria o yum a reportar o problema e abortar a instalação.

Ao adicionar um novo repositório, é necessário adicionar também a chave pública do desenvolvedor, usando o comando "rpm --import", como em:

# rpm --import http://centos.karan.org/RPM-GPG-KEY-karan.org.txt


Normalmente, a URL com a chave pública GPG fica em destaque dentro da página com instruções de como adicionar o repositório.

Da mesma forma, para remover um repositório posteriormente, você removeria o arquivo da pasta, de forma que o yum deixe de usá-lo. É interessante também limpar o cache do yum, usando os comandos:

# yum clean headers
# yum clean packages

Fonte: Hardware.com.br

0 comentários: